É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo." (Clarice Lispector)

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Éramos quatro irmãos...
Gilvan o mais velho , esse era diferente de todos nós, Lindo.
Tinha cabelos negros, olhos negros e expressivos e um sorriso que enfeitiçava.
trabalhava , vendendo picolé, e fazendo outros pequenos bicos, Todo pouco dinheiro que conseguia entregava pra minha mãe.
Forte, decidido e muito, muito revoltado.
Vir a saber o porque quando já estávamos adultos. Ele odiava meu pai, por causa da sua maldade e principalmente porque ele não o registrou como filho, ele só tem o sobrenome da minha mãe.
Segundo meu irmão ele se recusou a registrá-lo. Não entendo porque ele se sente revoltado por isso. Pra mim teria sido uma honra não ter o sobrenome daquele homem.
Bom o outro irmão é o que tem o nome do meu pai.Otoniel, nós o chamavamos Toninho.
Amoroso, divertido e doce.
Mais novo que eu, e eu cuidava dele. do meu pretinho, de todos nós o mais pretinho...queimadinho rsrsr
E o mais novinho com apenas 1 ano e meio Daniel;
Esse era o meu bebe...Estava comigo pra onde eu ia, agarrado na cintura ou lavado pelas mãos.O bebe da casa.
Na minha casa não havia banheiro, somente uma fossa no quintal.
pra quem não sabe como é. È um buraco fundo feito no chão claro, depois coberto com tabuas, deixando apenas um pequeno buraco.
As necessidades tinham que ser feitas agachadas, não tinha vaso sanitário.
Havia em volta tres paredes coberta com telhas e na porta uma cortina.
A noite meu irmãozinho tinha medo de ir ao banheiro, então fazia sempre no chão. No outro dia eu limpava, o que não era dificil já que o chão da casa era de terra batida, eu pegava a pá e raspava a terra. depois era cobrir o buraco e pisar a terra.
Todos os dias tinha que fazer isso, depois molhar o chão e varrer (molhar pra não levantar poeira.
O banho era tomado em uma bacia grande de plastico e uma caneca.Buscava a agua na mina esquentava e dava banho nos dois menores, depois tomava banho.
Os dias passavam mais rapido.Pois tinhamos muito o que fazer, o que brincar e por onde correr e andar, éramos bichos soltos, Já que minha mãe ficava pouco tempo em casa.
Mas um dia o horror aconteceu...
Sandra


3 comentários:

Luis Nantes® disse...

Nossa Sandra!! Vai se expor mesmo? Sente-se bem fazendo isso? Estarei sempre aqui para escuta-la se for para seu bem, tá?
Boa passagem de ano e se cuida
Ti amo

Elaine Barnes disse...

Conheci uma casa assim lá em Bauru e fiquei achando estranho o chão de terra batida e o wc, porém,me acostumei e nmas férias ficava lá boa parte dela, a casa era da namorada do meu tio querido. Toda de madeira,mas, como eu recebia carinho de todo mundo,gostava de ficar lá.
É incrível como nós mulheres,mesmo pequeninas temos instinto materno e vc foi uma mãezona aos 5 anos. bjs

Pérola disse...

Poxa minha amiga que histórico de vida!!! Ainda quero daber o que aconteceu com vc depois que vc foi embora.
Beijos